Espaço Literário

Livro: O que é Comunicação

Autor: Juan E. Díaz Bordenave

Editora: Brasiliense

Coleção: Primeiros Passos

Páginas: 105

Coleção: Primeiros Passos

Resenha:

Por: Elaine Santos

 

 Para que serve a comunicação?

 Na década de 70, o homem-social foi descoberto e começou a ser ao mesmo tempo produto e criador de sua sociedade e cultura. Rodeado pelo meio ambiente físico e social no qual era composto por outras pessoas com que ele mantinha relações de interpendência.

O autor diz que os meios de comunicação parecem procurar mais o lucro,  prestígio, poder e o domínio do que a construção de uma sociedade participativa, igualitária e solidária, onde as pessoas realizem plenamente seu potencial humano. E complementa que existe uma defasagem entre a descoberta do homem social e o conhecimento de como orientar a vida social em função desse homem.

 Bordenave faz uma citação: “Um melhor conhecimento da comunicação pode contribuir para que muitas pessoas adotem uma posição mais crítica e exigente em relação ao que deveria ser a comunicação na SUA sociedade” pg. 10.

 A comunicação está presente em todos os lugares. O meio ambiente social varia entre conversas, cores, gestos, desenhos, símbolos… A sociedade e comunicação são uma coisa só, não existindo sozinha e nem sendo melhor que a outra.

A comunicação é o canal no qual cada um se torna membro de uma sociedade, confundindo com a própria vida, se tornando uma necessidade básica da pessoa humana.

 “Cada sociedade tem a comunicação que merece. Dize-me como é tua comunicação e te direi como é a tua sociedade” pg. 17

Os meios  desempenham certas funções importantes no dia-a-dia, mesmo com a grande variedade dos meios de comunicação. O bate-papo, uma roda de amigos, um aperto de mão, ainda se tornam essenciais para o homem-indivíduo que vive a procura da identidade verdadeira do homem-social.

A comunicação evoluiu de uma pequena semente. Já a comunicação humana ainda é um mistério. Independente de como foi, o homem encontrou uma forma de associar som ou gesto a um outro objeto ou ação, assim, nasceu o signo, ou seja, aquilo que fez referência à outra.

Outra invenção humana foi à gramática, onde regras de combinação relacionam os signos entre si. Tendo os signos e as regras para combiná-los, o homem criou a linguagem.

A primeira forma organizada de comunicação humana foi à linguagem oral. O homem utilizou primeiro o desenho e mais tarde a linguagem escrita evoluiu a partir dos pictogramas.

 Num determinado momento o homem sentiu necessidade de que cada signo representasse um objeto ou idéia, nascendo os ideogramas.

O homem foi ainda mias longe, percebeu que os signos poderiam representar unidades de som e não mais objetos ou idéias. Essa descoberta foi à base para a escrita chamada fonográfica, onde os signos representam um certo som.

Com a evolução da linguagem, desenvolveram os meios de comunicação. Gutemberg inventou a tipografia, o papel tornou-se mais resistente e leve. As impressões passaram a permitir o uso de várias cores, o número de tiragens aumentou  e os jornais, revistas, livros, folhetos e cartazes se aperfeiçoaram. O rádio levou a voz do homem aos locais mais isolados.

A fotografia teve um impacto muito grande sobre a comunicação visual porque possibilitou que ilustrações de livros, jornais e revistas, inspirassem o cinema e mais tarde a televisão. O alcance da comunicação foi assegurado pelas invenções do telégrafo, telefone, rádio, televisão e o satélite.

 A ciência e a tecnologia da comunicação trazem a todo o momento inovações. A junção dos meios de comunicação com o processamento de dados gerou a informática.

  “Assim se desenvolveu a grande árvore da comunicação. Começou

com os grunhidos e os gestos dos poucos homens recém-emergidos

da animalidade original, evoluiu e se enriqueceu em seu conteúdo e em seus meios, ganhando cada vez maior permanência e alcance, aumentando sua influência nas pessoas e, através delas, incidindo cultura, na economia e na política das nações.”

A comunicação pode ser definida de duas maneiras: enumerar seus elementos ou indicar para que serve. Ela serve para unir as pessoas, transformando a realidade que as rodeia.

Os meios de comunicação se tornaram fatos fundamentais de poder e domínio para  todos. A comunicação possui cinco elementos: realidade ou situação, os interlocutores, mensagem, signos e os meios que os interlocutores utilizam para levar a informação aos outros.

No processo de comunicação existe algumas fases:

A pulsação vital: É a dinâmica interna de qualquer pessoa que se encontra com a ebulição dos pensamentos, desejos, necessidades….

A interação: A pulsação vital permanece em equilíbrio e obrigatoriamente se adapta ao meio ambiente físico e social que o rodeia.

A seleção: São as experiências, crenças, valores, entre outros, que deseja partilhar com outras pessoas.

A percepção: Através dos sentidos o homem entende tudo o que lhe é apresentado.

A decodificação: Com a percepção dos signos, o homem tem que determinar o que eles representam e a que códigos pertencem.

A interpretação: É a fase de compreensão da mensagem.

A incorporação: A interpretação da mensagem não ameaça seu sistema de idéias, valores e sentimentos.

A reação: São os resultados da incorporação da mensagem no receptor.

 Tudo na vida pode ser decodificado como signo.  Estes, por sua vez, possuem elementos que lhe permitem “significar”, fazer referência a ele e sua apresentação física, ou seja: significado, objeto referente e significante.

Além da mensagem falada temos também os gestos, olhares, até mesmo o silêncio. Cada cultura tem seus próprios  códigos o que dificulta a comunicação entre diferentes culturas. Como não há limites de signos para que haja a comunicação, a maior parte deles se dá por meio da linguagem falada ou escrita. Entre tanto a linguagem é a que gera maior confusão principalmente em países de línguas diferentes.

“Na sua evolução, a humanidade foi passando do uso de signos parecido com seus objetos referentes – tais como os desenhos de animais, as palavras imitativas dos sons da natureza, os gestos reprodutores de ações naturais – ao emprego de signos cada vez mais arbitrários, sem qualquer semelhança com os objetos representados, e que, por conseguinte, somente funcionavam quando existia uma espécie qualquer de convenção ou acordo entre os interlocutores.”  

Os signos são como as pessoas, tem significados diferentes segundo o contexto em que se encontram. Exemplo, um homem é pai em casa, chefe no escritório e goleiro no time de futebol do bairro.

A linguagem varia conforme as classes sociais. PERSPECTIVA: A classe popular se comunica de uma única forma, enquanto a classe média olha sob vários pontos de vista. ORGANIZAÇÃO DO DISCURSO: No discurso da classe subalterna a mensagem não tem muita conexão, enquanto as classes mais  elevadas tem uma narração única e complexa. CLASSIFICAÇÃO E RELAÇÃO: As pessoas de nível social mais baixo falam de indivíduos. Pessoas de classe mais elevada possuem uma gama de conceitos, classificações e tipologias. ABSTRAÇÕES: As classes populares são menos sensíveis à informação abstrata e às questões concretas, enquanto, as classes mais altas compreendem e usam generalizações e padrões abstratos. USO DO TEMPO: Na classe baixa dá-se ênfase ao que é transitório, passageiro, enquanto na classe alta a ênfase é para o processo e desenvolvimento. Essas comparações são relativas, pois, existem indivíduos nas classes baixas que se expressam como as pessoas das classes mais altas e vice e versa.

 A linguagem serve como instrumento dentro de um mesmo grupo social e também para manipular as pessoas.

Existem duas realidades de manipulação da linguagem: a realidade objetiva e a realidade reconstruída pelo discurso da comunicação.

As modificações da linguagem se devem a fatores históricos, geográficos, culturais e os regionalismos. A comunicação colabora com as modificações dos significados que as pessoas conhecem, seja na transformação das crenças, valores e comportamento. Está ai o poder da comunicação que desenvolve a criatividade na auto-expressão, na convivência e na força política na luta pelas transformações sociais.

Existe também a comunicação do poder, onde se manipula a informação das seguintes formas:

Comunicação dirigida: manipulação da linguagem, imposição de certos conteúdos e proibição de outros.

Comunicação limitada: é qualquer medida para manter as massas na ignorância. Não permite a manifestação dos interesses.

Comunicação constrangida: A comunicação pública é limitada com a finalidade de conseguir que prevaleça o interesse de uma única pessoa.

O vasto poder da comunicação quando não estiver sendo utilizado para promover o crescimento integral das pessoas de todas as classes sociais está acontecendo uma transformação na sociedade, onde a resistência contra este tipo e comunicação já começou.

Na verdade, o poder da comunicação tem que estar construindo uma sociedade onde a participação e o diálogo transformante seja possível.

Explore posts in the same categories: Espaço Literário

2 Comentários em “Espaço Literário”

  1. Luana Says:

    Este Livro é uma ótima pedida para os alunos que estão no primeiro ano, ou mesmo que ainda estão escolhendo para que curso prestar vão vestibular.

    Gostei da Resenha!!!…

  2. Luana Says:

    Este Livro é uma ótima pedida para os alunos que estão no primeiro ano, ou mesmo que ainda estão escolhendo para que curso vão prestar vestibular.
    Gostei da Resenha!!!…


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: